sábado, 4 de fevereiro de 2012

Salomão



Bat Sheva rezou para que seu filho, Salomão, seja sábio e adequado para a profecia. Outras esposas de Davi rezarãm para que seus filhos se encaixe para governar.

O rei Salomão começa o último capítulo de Provérbios com a exortação de sua mãe como um homem jovem.

Ela começa por dizer-lhe: "Qual é, meu filho? E o que, o filho do meu ventre? E como, filho dos meus votos? "O versículo seguinte:" Não dês às mulheres a tua força ...
Ela começa com três perguntas, o quê? e o que? e o que? O que você fez para si mesmo, a sua alma (como investido em seu corpo)? O que você fez com a origem de sua alma (a sua alma como investido no ventre de sua mãe, na sua alma-raiz acima)? O que você tem feito para D'us, pelo qual prometeu a sua mãe?

Rashi explica que Bat Sheva disse estas palavras de castigo a seu filho Salomão, no dia da inauguração do Templo, ele havia construído para D'us (cumprindo assim o desejo mais profundo de seu pai Davi, que não teve mérito para construir o Templo em Jerusalém) . No mesmo dia ele pecou ao se casar com a filha de Faraó, que o levou a negligenciar o serviço do Templo em seu primeiro dia (para a qual D'us decretou que o Templo seria destruído).

Rashi explica as três perguntas da seguinte forma:

"O que, meu filho?" - Não segue a sua má inclinação (com relação às mulheres), pois se você fizer isso fará com que as pessoas me olhem como responsável.

"E o que, o filho do meu ventre?" - Nos últimos seis meses da minha gravidez com você - ao contrário do costume de outras esposas de seu pai Davi durante a gravidez - o ato de manter relações conjugais com seu pai erão para o seu amor (para que você pudesse nascer ágel e de alerta; relações conjugais nos últimos seis meses de gravidez são boas para o feto. Eu tinha preocupação especial com você quando você estava no meu ventre (e minhas relações com seu pai foram para o seu bem, não para o meu prazer físico).

"E como, filho dos meus votos?" - As outras esposas de seu pai, enquanto grávidas prometerão (a D'us, comprometendo-se a caridade ou fazer um juramento de abster-se de alguns prazeres mundanos, a fim de merecer intervenção divina que lhes fosse dado o desejo do seu coração) que seus filhos fossem adequados para a realeza, mas eu jurei que o meu filho seria sábio na Torá.

O que outras esposas de seu pai rezarãm por não lhes foi dado, mas eu orei por - diz Bat Sheva em sua exortação a Salomão - foi-me dado, juntamente com o que eu não rezei, que reinará depois de seu pai.

Se alguém deseja e persegue o poder (realeza), não é dado a ele, mas se se deseja e busca o serviço de seu Criador (que começa com a compreensão da Torá de D'us), então não só é que lhe dado, mas o poder mundano e realeza também.

 
.... - .. ., .