quarta-feira, 12 de outubro de 2011

O Que é Cabalá







Cabala é expressão da Torá da maneira como o mundo funciona. Removido da sua nascente, é um monte de lixo.



A maioria das pessoas já ouviu falar alguma coisa ou outra sobre Kabbalah. Mas é altamente improvável que o que se passa ao redor no mercado geral posando como Kabbalah está em qualquer lugar perto da coisa real.


O que a maioria das pessoas foram expostas é uma miscelânea de psicologia pop e auto-ajuda que finge ter alguma ligação com misticismo judaico, mas raramente, ou nunca, faz.

É fácil ver como as pessoas são enganadas. Na maioria das disciplinas, você espera para conhecer e compreender algo após estudá-la. Mas quando se trata de misticismo, as pessoas esperam ser mistificadas. Assim, eles estão dispostos a aceitar Mumbo-Jumbo incompreensível. Kabbalah é suposto para ser misterioso e enigmático. Ele é o misticismo afinal!

Assim muito disparate é apresentado em nome da Kabbalah.

O QUE É E O QUE NÃO É A KABBALAH

Para entender o que a Kabbalah é e o que não é, vamos use a ilustração a seguir.


Um investigador situa-se em seu laboratório de análise de todos os tipos de fenômenos atômicos. Ele esmaga átomos em grandes velocidades e registra o que ele vê acontecer. Ele é muito meticuloso em seu trabalho e ainda pode tirar algumas conclusões imediatas a partir dos dados na mão. Mas ele deixa nisso.
Um grande cientista pega estas notas, lê-los e pondera o seu significado. Ele começa a construir uma mega-imagem. Ele tenta imaginar como todo o sistema pode estar. Ele sabe que lá estão os instrumentos, nem pode haver, realmente ver as partículas que ele imagina, e portanto ele apalpa para metáforas que se conectarão com precisão os bits de dados que o físico coletado. Assim, ele começa a falar de "super cordas," "túneis atômicas", "pontes de energia" e "dez dimensões".


Uma terceira pessoa, que tem uma mente muito fértil, mas sem sentido da ciência, e espionagem. Sua imaginação foi demitida e, em nenhum momento a todos, ele está levando adiante sobre pessoas que desapareceram misteriosamente em "túneis atômicos" e ilimitados de fontes de energia contida em várias das "dez dimensões".


Estas três pessoas ilustram as diferentes abordagens a Cabalá.


Os "dados" ou fatos que trata de Kabbalah são a narrativa da Torá e seu corpo inteiro da lei religiosa. O "investigador" representa uma pessoa que vê as leis e narrativa como elas são, compreende seu significado imediato, mas não recebe a imagem maior.
O "grande cientista" representa o cabalista que vê os vários pontos locais e, em seguida, começa a sentir a imagem maior. Ele precisa de metáforas para descrever a unidade abstrata que percebe, e está consciente de que esta ferramenta é susceptível de ser vago e só se aproximando o entendimento de que ele adquiriu. Embora limitada pelas ferramentas à sua disposição, a imagem complexa que se comunica o grande cientista pode ainda dar-em um senso da realidade que ele está nos braços.


E depois há o pseudo-cabalista - "o intruso" - cujo Kabbalah é basicamente alheios a Torá, exceto talvez como um trampolim para a sua imaginação. Ele descobriu "fontes de energias," "emanações divinas" e formas de "expandir a consciência," mas ele origina todas as suas ilusões fantasiosas.

Em resumo

A Cabalá é para a Torá o que a filosofia é para a ciência.
Como ciência, a Torá nos dá os fatos que são totalmente percebidos sensualmente e racionalmente quantificáveis.

Como filosofia, a Cabalá dá-a imagem abstrata mais grandiosidade que apresentam os fatos.

 
.... - .. ., .